VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Nosso Blog está de volta!!!

Após alguns meses meu blog estava desativado, mas a pedidos e pela consideração dos meus seguidores, estou voltando. Vou tentar todos os dias postar coisas que ajudem você a ter uma vida melhor, dicas, rezas, curiosidades do mundo Esoterico etc.  Estou voltando com tudo que você já conhece aqui.

Conto com a visita e ajuda de vocês meus amigos para divulgar esse espaço Esotérico.

Começarei com um texto bem legal explicando o que é ESOTERIMO.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



IVANIH BIANCO
(19) 3462-9248 / 9712- 03791
                                                      ------------------------------------------

Ser esoterista é viver de coração a coração. É perceber o lado oculto de todas as coisas; no Universo, nas religiões, nas filosofias, na Poesia, na Arte, em todos os reinos da natureza, no homem e em Deus.
Etimologicamente o termo esoterismo deriva do grego esotérikos, “interno”, “oculto”, em contraposição a exotérikos (exotérico), "externo", "público". Antigamente, esotérico era o que se ocultava à generalidade das pessoas e se revelava somente aos "iniciados"; ao passo que exotérico era o que se podia mostrar ao público.
Modernamente, esoterismo é uma filosofia ou doutrina que, por sua unidade e generalidade, transcende todos os dogmas e todas as formas, em busca do sentido mais racional e inteligível da vida, e de seus fenômenos e poderes latentes, para esclarecer e conciliar os múltiplos aspectos da verdade. Em outras palavras, esoterismo é o significado mais profundo das coisas, que geralmente escapa à percepção superficial do indivíduo.
Todas as antigas e verdadeiras religiões, como também numerosas das antigas escolas ou sistemas de filosofia, tiveram o seu lado esotérico, reservado aos "eleitos", e o exotérico, destinado à massa popular.
O Cristianismo primitivo também oferecia esse duplo aspecto, pois os ensinamentos de Cristo se caracterizaram por uma parte pública e outra secreta, como o atestam estas palavras a Seus discípulos: “... a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado... Por isso lhes falo em parábolas, porque eles, vendo, não vêem, e ouvindo, não ouvem nem compreendem". (S. Mat. 13: 11 e 13).
De igual modo se expressaram os evangelistas S. Marcos e S. Lucas: "E sem parábola nunca lhes falava, porém tudo declarava em particular aos seus discípulos” (S. Marcos 4:34).
O próprio Universo está constituído sob duas formas: a visível e a invisível. Não há sol sem sombra.
Em todas as religiões, a construção do Universo é apresentada sob o mesmo ponto de vista oculto, esotérico; no entanto, cada religião a reveste de uma determinada forma, criando, mesmo entre elas, idéias antagônicas e muitas vezes desconcertantes, ininteligíveis ao homem desejoso de encontrar a verdade.
O Universo é o campo de manifestação das almas que nele habitam, todas vivem sob a força e o calor do “Deus Sol", o Logos, ou Verbo dos gregos, Deus, Brama, Osíris, Alá, etc..., nas várias religiões. Todas o conhecem exotericamente, revestido de Sua gloriosa forma, emanador de vida e sustentador de formas por ele criadas.
Há, porém, uma vida oculta em toda manifestação, só perceptível a "quem tem olhos para ver e ouvidos para ouvir".
Há uma Luz poderosa além da forma, que comunga com o sol individual, o deus interno residente no coração de cada ser humano, e vive em toda a criação. Há um som que se espalha por toda a atmosfera, audível apenas aos que têm "ouvidos para ouvir"; e uma nota musical se destaca do conjunto harmonioso da criação e encontra eco em cada ser humano, pois nele vibra internamente a harmonia universal. Este deus interior no homem é a sua força esotérica. É a sua visão real, liberta de toda forma, a mostrar-lhe o caminho para a Verdade e para a Luz. Na manifestação exotérica do Universo, vemos a beleza de seus sóis estrelando o céu sobre nossas cabeças. Admiramos o encanto de suas águas, extasiamo-nos diante de suas montanhas, abrimos nossos pulmões, e a respiração nos põe em contato com a expiração e inspiração divinas quando, em meio das florestas, ouvimos o cantar dos pássaros e o rumorejar das águas. Mas, num tremendo arco-íris de cores resplandecentes para o verdadeiro azul, todas essas belezas desaparecem e a parte esotérica do Universo se manifesta ao nosso olhar sutil, o olhar daquele que "tem olhos para ver e vê”.
No presente estágio de nosso desenvolvimento, sem dúvida, a maior parte da natureza é inteiramente desconhecida da humanidade porque esta ainda não desenvolveu senão em proporção insignificante as faculdades que possui.
O que vemos no mundo que nos cerca está longe de representar tudo o que há para ver, e um homem que se der ao trabalho de cultivar os sentidos verá que na medida em que progredir, a vida para ele se tomará cada vez mais plena e mais rica.
Como é lindo viver esotericamente. A palavra esoterismo tem sido destituída de seu real significado. Muitos lhe dão o sinônimo de mentalismo, outros de magia, e alguns a deturpam, emprestando-lhe significados, atributos ou poderes completamente infundados.
Ser esoterista é viver de coração a coração. É perceber o lado oculto de todas as coisas; no Universo, nas religiões, nas filosofias, na Poesia, na Arte, em todos os reinos da natureza, no homem e em Deus. É perceber que a vida se reveste de uma forma transitória, porém é eterna: ela vai transmutando as formas e aperfeiçoando-as até sua unificação final com tudo e todos. E saber que não há separação real entre os dois pares de opostos; que a vida não é mais do que um eterno e contínuo vir-a-ser dentro dos limites do tempo e do espaço criados pela forma. É entrar no coração da vida, é fundir consciências, pois a consciência é una, separada somente pelas formas que a contém.
Tais verdades mostram-nos que todos os problemas e mistérios para nós, existem porque vemos uma parcela insignificante dos fatos em razão de estar a nossa visão confinada à parte inferior das coisas e como fragmentos isolados e sem conexão em vez de abranger a totalidade dos aspectos, como aconteceria se nos erguêssemos acima delas, situando-nos em uma posição de onde a perspectiva tornasse possível a sua compreensão como um todo.
Podemos ser esoteristas em nossa vida diária. Se a todos os momentos procurarmos entender e sentir a vida que se oculta nas formas que nos rodeiam, seremos brandos e não cruéis. Perceberemos que Deus se manifesta em toda forma, e que, fundidas nossas consciências com as dos nossos irmãos da terra, estaremos dando um passo além para a realização do real esoterista, que é trazer o céu para a terra por meio da verdadeira harmonia e verdadeira paz.
Texto do Jornal Corpo Mente
Feira de Santana – BA

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Ativação da pineal, olhar para o sol e recodificação do DNA - PARTE 01



PARTE 01

 

A glândula pineal é o centro para receber os raios do sol, que, uma vez recebidos são disparados em direções diferentes do corpo. Além disso, é o receptor da energia da coroa, que detém uma incrível quantidade de informações sobre seu passado, quem você é enquanto alma, seu futuro, sua evolução - e toda a história do universo. Tudo é armazenado dentro de seu Eu Superior na consciência universal.

Seria impossível receber todas essas informações de uma só vez, então a glândula pineal funciona como uma torre de rádio, recebendo os raios mais fortes que vêm através de todas as fontes de luz - luz do Eu Superior, luz solar, luz da lua e luz das estrelas - e tem a capacidade para decodificar a informação que é armazenada dentro destas frequências de luz.

A influência é uma influência magnética; não é uma luz elétrica, mas a energia gravitacional. Luz e magnetismo são a mesma coisa. A terra é magnetizada pelo sol, toda a criação local neste planeta está em sintonia com o campo magnético da Mãe Terra, que está em sintonia com o campo magnético do sol, que está em sintonia com o campo magnético de outros sistemas estelares dentro da Via Láctea, em sintonia com as outras redes de luz dentro do universo, e por isso é tudo um sistema. Cada célula carrega o mesmo código de DNA, e, sintonizando com as freqüências de luz e as informações dentro dessas freqüências, somos capazes de reprogramar nosso DNA.

Um exemplo para ilustrar essa relação é o de uma grande corporação: As pessoas na produção tem informação limitada. Quando se deparam com um problema, eles se voltam para o gerente do setor onde o nível de informação é ligeiramente maior. Se o gerente não sabe a resposta, eles vão para os diretores, e se eles não sabem a resposta, eles vão para o Presidente, e assim por diante. Esta estrutura hierárquica ilustra como o nosso sistema solar local - o sol - está conectado com outros corpos de luz de elevada vibração no universo. E é nosso maior, mais tangível e imediato recurso, recodificar o nosso DNA.

Fonte:


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

SÃO SEBASTIÃO - 20 DE JANEIRO

SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião nasceu em Petrória *, na Itália, de acordo com Santo Ambrósio, por volta do século III. Pertencente a uma família cristã, foi batizado em criança. Mais tarde, tomou a decisão de engajar-se nas fileiras romanas e chegou a ser considerado um dos oficiais prediletos do Imperador Diocleciano.
Contudo, nunca deixou de ser um cristão convicto e ativo. Fazia de tudo para ajudar os irmãos na fé, procurando revelar o Deus verdadeiro aos soldados e aos prisioneiros. Secretamente, Sebastião conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Até mesmo o governador de Roma, Cromácio, e seu filho, Tibúrcio, foram convertidos por ele.
Em certa ocasião, Sebastião foi denunciado, pois estava contrariando o seu dever de oficial da lei. Teve, então, que comparecer ante o imperador para dar satisfações sobre o seu procedimento. O imperador se queixou de que tinha confiado nele, esperava dele uma brilhante carreira e ele o havia traído.
Diante do Imperador, Sebastião não negou a sua fé e foi condenado à morte, sem direito à apelação. Amarrado a um tronco, foi varado por flechas, na presença da guarda pretoriana. No entanto, uma viúva chamada Irene retirou as flechas do peito de Sebastião e o tratou.
Assim que se recuperou, demonstrando muita coragem, se apresentou novamente diante do Imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusando-o de inimigo do Estado. Perplexo com tamanha ousadia, Diocleciano ordenou que os guardas o açoitassem até a morte. O fato ocorreu no dia 20 de janeiro de 288.

NO BRASIL
São Sebastião é a cidade mais antiga do Litoral Norte. Antes da colonização portuguesa, a região de São Sebastião era ocupada por índios Tupinambás ao norte e Tupiniquins ao sul, sendo a Serra de Boiçucanga - 30 km ao sul de São Sebastião - uma divisa natural das terras das tribos. O município recebeu este nome em homenagem ao santo do dia em que passou, ao largo da Ilha de São Sebastião - hoje Ilhabela -, a expedição de Américo Vespúcio: 20 de janeiro de 1502.
É um santo muito popular e padroeiro do município do Rio de Janeiro, dando seu nome à cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Reza a lenda que, na batalha final que expulsou os franceses que ocupavam o Rio, São Sebastião foi visto de espada na mão entre os portugueses, mamelucos e índios, lutando contra os franceses calvinistas.
Além disso, o dia da batalha coincidiu com o dia do santo, celebrado em 20 de janeiro. São Sebastião é o protetor da Humanidade contra a fome, a peste e a guerra.
 
ORAÇÃO A SÃO SEBASTIÃO PELO RIO DE JANEIRO
São Sebastião, que a vós temos profundo amor e veneração, exaltamos a Deus por ter-Vos levado a tamanho grau de santidade.
Padroeiro dos que sofrem epidemias, pedimo-vos nestes momentos por quais passam o nosso mundo, com promessas de guerras nucleares, vossa intervenção.
São Sebastião, vós que fostes eleito como padroeiro do Rio de janeiro, intercedei junto a Deus pelos seus habitantes para que corrijam os maus costumes, principalmente da moralidade, fazendo-os crescer em virtudes e santidade.
Por Cristo, Nosso Senhor.
Amém.

S Ã O S E B A S T I Ã O
(Padroeiro da Cidade de Rio de Janeiro)
* 20/01
São Sebastião nasceu na França, província de Narbonne,
Como filho de militar seguiu a carreira no exército romano.
Chegando a Capitão da primeira corte da guarda pretoriana,
Sebastião era elogiado por soldados e o imperador Maximiliano,
Porém, ele servia a dois exércitos: o de Cristo e o de Roma!
Na época, (final do século III) o exército romano era governado no Oriente, por Deocliciano e no Ocidente, por Maximiliano...
Sebastião não ia aos cultos de sacrifícios e idolatrias pagãs,
Pois igualava-se a muitos soldados romanos convertidos a fé cristã,
Sebastião, visitava os cárceres e ajudava os discípulos de Jesus.
Denunciado a Maximiliano, este, logo entrou em ação:
- Excluiu do exército das forças armadas todos soldados cristãos.
Raivoso, Maximiliano mandou trazer Sebastião à sua presença.
Por não renunciar à fé cristã, Sebastião sofreu a dura sentença:
- Ele seria atado num poste, desnudado e flechado por arqueiros!
No estádio do Palatino depois de receber uma chuva de flechas,
Agonizado, Sebastião ficou sangrando até morrer, ali, abandonado.
Os amigos cristãos de Sebastião foram até o local do martírio;
Eles notaram com espanto que o santo ainda estava com vida,
Logo, levado à casa de Irene, recebeu cuidados em suas feridas.
Curado, ao invés de se esconder Sebastião foi até Maximiliano,
Lá, pediu-lhe que não mais perseguissem as pessoas cristãs.
O imperador negou o pedido e mandou açoitá-lo até a morte!
São Sebastião, mártir da fé cristã, não teve a sua morte em vã.
 
FONTE: