VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Maria através dos tempos


Maria, há dois mil anos, é uma figura controvertida no Cristianismo. Alternadamente elevada ou diminuída na hierarquia da Igreja Católica, adorada ou banida da Protestante, Maria pertence ao povo, não aos sacerdotes. A paixão e a fé que ela inspira continuam impecáveis. A maior de todas as Mães, e a, mais formosa delas, Maria inspira mais de dois bilhões de Ave-Marias, diariamente, no planeta. De quase desconhecida, sua personalidade cresceu e suas aparições no último século deste milênio vieram advertir sobre a necessidade da conversão, da oração e da meditação para que o mundo não se destruísse a si mesmo através de guerra estúpida, do holocausto nuclear, do materialismo sem consciência ecológica e da falta de amor entre os seres humanos. Seja em Lourdes, que já recebeu a visita de cinco milhões de pessoas, para beber de suas águas milagrosas, seja em Guadalupe, onde mais de dez milhões já se ajoelharam para ouvir seus conselhos, seja em Mejugorge, onde ela apareceu exatamente dez anos antes da fratricida guerra empreendida pelo governo sérvio contra o desejo de libertação de Croatas e Bósnios, sua mensagem sempre foi a da Rainha da Paz, pedindo paz, chorando pela desgraça que antevia.
O conselho de Éfeso, em 431 Antes de Cristo, proclamou-a a Mãe de Deus, após uma discussão de dois séculos sobre sua virgindade. Éfeso abrigava o maior templo em louvor à deusa Diana ou Ártemis, e diz-se que o povo gritava, saudando Maria: “Ela é a Deusa, ela é a Deusa!”
O caso é que o mito da Mãe Virgem vem da Antiguidade grega, e se formos estudar mais além, essa idéia vem do culto da Grande Mãe, no começo da história do mundo. Cada geração “reinventa” Maria, com novas definições, novas interpretações. Por exemplo, a Anunciação. Antes colocada como passiva e serva da vontade do Senhor, agora Maria é vista como uma mulher independente, a quem o senhor mandou consultar através do Anjo Gabriel. Se ela recusasse, como Eva fez, todo plano de salvação divina deveria ser alterado.
Maior inimiga do demônio, na Idade média eram feitos cantos em sua homenagem contando milagres onde ela salvava peregrinos incautos ou religiosos vítimas de tentação. Hoje, em suas aparições e profecias, ela diz que satanás está presente no mundo na forma da discórdia e da guerra, e em casa momento em que perdemos a paciência e ficamos irados com alguém. Sua mensagem em todas as aparições é pela paz e pelo entendimento. Maria diz que o plano do mal é destruir, literalmente, o planeta Terra, com a ajuda da estupidez humana...
Nos últimos 150 anos, o Vaticano instituiu os dogmas da sua Imaculada Concepção, isto é, que ela já nasceu pura e livre do pecado desde que veio ao mundo, e da sua Ascensão aos Céus, vinte anos depois da morte e ressurreição de seu filho.
No concílio de 1962/65, no Vaticano, ela foi rebaixada pelo clero liberal e progressista, e em muitas igrejas dos Estados Unidos, sua imagem desapareceu dos altares das igrejas. Ela voltaria em 1969, quando o Papa Paulo VI requereu que todos os livros sobre aparições fossem pré-aprovados pelo Vaticano. Ao mesmo tempo, ele colocava Maria como “a representante da luta contra a opressão da mulher”. Mas foi com o Papa João Paulo II que Maria teve seu brilho e aura divina devolvidos. Devoto de Maria, amigo da congregação Mariana, o papa atribuiu ter se salvo do quase assassinato em 1981, quando foi ferido por um atirador, a um milagre da Virgem Santíssima. O incidente com o papa aconteceu exatamente no dia do aniversário do reconhecimento pela igreja da aparição de Fátima, e João Paulo acredita que o milagre de ter escapado, à intervenção de Maria.
Maria também é louvada no Alcorão, que a cita 34 vezes, como a Mãe de Jesus.
Louvada ou diminuída, Maria está cada vez mais universal, mais participante, mais presente em todas as culturas do mundo. Protetora, mãe, arquétipo feminino, ela se torna, mais e mais, a Mãe do Mundo, o lado feminino de Deus, transcendendo ideologias e religiões. E seu nome se torna, cada vez mais, sinônimo de Mãe.
MÃE MARIA

Fonte: Maria rainha da paz

axé

Nenhum comentário:

Postar um comentário