VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

MEDITE EM 15 MINUTOS


 
 
 
Pensando na dificuldade que muitos têm de encontrar um tempo para meditar, ou não tem paciência de sentar por quinze minutos para aquietar corpo e mente, vou ensinar como relaxar e meditar deitado ao mesmo tempo.Vivencie isso e experimente mais quietude e paz interior.Relaxe todo o seu corpo na cama, ou em seu tapetinho de hatha yoga, ou em um lugar bem confortável.
Feche seus olhos. Permita que os músculos da nuca se soltem.
Suavize seu rosto, soltando os músculos do rosto.
Deixe que a testa fique descontraída.
Deixe que a mandíbula relaxe. Deixe a língua repousar no chão da boca.
Sinta maxilares e língua pesados.
Deixe os braços e pernas soltos e pesados na cama.
Relaxe suas costas e região glútea.
Sinta que seu corpo está leve e pesado ao mesmo tempo.Observe o fluxo natural da respiração. Comece a acompanhar o ritmo natural da respiração apoiando no mantra So’ham. (pronuncia-se: sou ‘ram) .O mantra So’ham é muito sagrado e significa: Eu sou isso. Com “isso” se referindo a Deus em tudo, em nós e em toda a criação. Ao expirar, mentalmente repita “so”, e na inspiração, repita mentalmente “ham”. É um mantra simples, mas muito poderoso. Acompanhe a entrada e saída do ar. Ao repeti-lo com essa respiração simples, as inquietudes se dissolvem na pulsação das qualidades sonoras e vibratórias do mantra, trazendo calma e apaziguamento com o ritmo natural da respiração. Esse ritmo natural da vida que se instala é como as ondas serenas do mar. Use a respiração para relaxar e concentrar a mente.
Ao repetir o mantra So’ham tenha consciência do dar e receber.
Em cada expiração, tome consciência da ação de dar. Se entregue, permita-se “deixar ir”.
Em cada inspiração, tenha a consciência de receber a vida, de honrar o Ser interior nesse instante. A chave para relaxar e meditar deitado ao mesmo tempo é a consciência localizada. Não é simplesmente relaxar e não é dormir. Você está consciente, mas vai deslizando para níveis tranquilos e profundos como se ‘dormisse acordado’.

Essa experiência não pode ser sentida intelectualmente, ou apenas tentando uma vez ou outra, é um aprendizado de se entregar. Como para aprender a nadar, você precisa entrar na água e praticar, assim também, para sentir a paz interior, você precisa praticar com regularidade.Meditação significa percepção, estado de mente alerta, e, ao mesmo tempo, relaxada. Se você dormir, não será meditação.Embora para não dormir ao meditar, seja melhor meditar sentado, experimente meditar deitado para conseguir aprender a se entregar e se aquietar.
E, como disse um grande mestre yogue, Baba Muktananda, em seu livro: “Encontrei a vida:” Se você não consegue achar tempo para meditar durante o dia, medite antes de dormir. Caia no sono murmurando So’ham, e So’ham continuará a ocorrer mesmo enquanto você dorme, até acordar de manhã. A experiência do Ser é a mesma para todos. Esta experiência existe no interior de todos nós. Não vem do exterior. Assim sendo, vá fundo, fundo para dentro.” Quando for deitar para meditar, seja paciente e atento. Sem expectativas de resultados, simplesmente saboreie o momento, goste de estar na sua boa companhia. Ensine seu corpo a disciplina do silêncio, da quietude e essa prática vai silenciar sua mente, diminuindo seus pensamentos e ansiedade. Pratique e experimente a tranquilidade da mente.
Fique em paz! Namastê! Deus em mim saúda Deus em você!

fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/equilibrese_relaxe.htm

terça-feira, 14 de outubro de 2014

ASTROS - FINAL


 
5) MARTE: Planeta símbolo da força viril, da atividade e capacidade criadora em todas as suas formas. Na psicologia astrológica representa o espírito empreendedor, energético e cheio de ânimo. Em seus aspectos negativos personifica a crueldade e o desejo de destruição. Os que nascem com Marte mal configurado em seu horóscopo são vítimas de impulsos violentos, belicosidade e rudeza. É representado por um círculo com uma flecha na parte superior direita, significando a força criadora do espírito. É planeta masculino; seu elemento é o fogo, e rege os signos de Áries e Escorpião. Seu metal-símbolo é o ferro.

6) JÚPITER: O maior dos planetas em termos de dimensão, representa, de maneira unificada, as figuras simbólicas do pai, do patriarca e do rei. É símbolo da grandeza de espírito, da sabedoria e generosidade, do sentido de justiça e da alegria espiritual. Em seus aspectos negativos, representa o orgulho, o desejo de ostentação, a falta de sinceridade, o amor à vida fácil, a paixão pelo jogo. Júpiter é representado por uma meia-lua crescente (símbolo da consciência da alma) unida a uma cruz (a matéria). É planeta de natureza masculina, positiva, regente de Sagitário e Peixes. Seu metal é o estanho.

7) SATURNO: Este planeta simboliza o tempo, que, com seu terrível apetite pela vida, devora todas as suas criações, sejam elas seres, coisas, idéias ou sentimentos. Astrologicamente, o planeta saturno é considerado o mais poderoso e malévolo, devido à maneira sutil e imperceptível com que mina a vitalidade do organismo físico. Marte, em seu aspecto destruidor, manifesta-se rápido como um raio. Mas Saturno é exatamente o contrário. Sua natureza é lenta e paciente, furtiva e velada. Saturno representa o movimento de contração, solidificação, cristalização, estabilidade e inflexibilidade. Em seus aspectos positivos, confere método, prudência, concentração, sobriedade e sentido do dever. Mas configurado, produz hipocrisia, intolerância, avareza, espírito rotineiro e teimosia. É representado simbolicamente por uma cruz surgindo de uma meia-lua crescente, significando a manifestação da consciência. É planeta masculino, positivo, regente de Capricórnio e Aquário. Seu metal simbólico é o chumbo.

8) URANO: Urano, o pai mitológico de Saturno, dá início, segundo a astrologia esotérica, à primeira série de uma órbita ou ciclo mais elevado de influência astral. Sua natureza é a mesma de mercúrio, porém numa oitava superior. Urano simboliza também o intelecto, mas já conectado com os planos da intuição superior e da iluminação interna. Este planeta rege os sentimentos ideais e a imaginação criadora. É planeta de caráter revolucionário, progressista, original e imprevisível. Os chamados "gênios incompreendidos" são, frequentemente, influenciados por esse planeta. Urano é representado por dois pilares (emblema das naturezas divina e humana) unidos por meio de uma cruz da qual pende um círculo. Rege, com Saturno, o signo de Aquário, e seu metal é o alumínio.

9) NETUNO: Netuno é considerado a oitava superior do planeta Vênus. Representa, assim, as mais elevadas tendências sentimentais e afetuosas. Mas o amor netuniano é do tipo platônico ou idealista. Os gregos o identificavam como o deus do mar, e por isso o seu símbolo é de natureza psíquica, conectando ao idealismo o dom da profecia e o sentido da beleza transcendente na arte em geral. Confere uma poderosa imaginação e predispõe ao misticismo, à mediunidade e à clarividência. É considerado o planeta dos grandes artistas, devido à sua natureza aquática emocional. Mal configurado, costuma provocar enfermidades mentais e nervosas, problemas neuróticos e tendência ao uso de drogas. Netuno é representado por uma lua crescente em posição horizontal, atravessada por uma linha vertical (o espírito) da qual pende uma cruz (a matéria). Rege, com Júpiter, o signo de Peixes.

10) PLUTÃO: A moderna astrologia ainda discute o complexo simbolismo do último planeta de nosso sistema solar, o mais recentemente descoberto. Plutão aparece como oitava superior de Marte, decompondo a sua poderosa influência em duas áreas: na primeira, espiritual, Plutão representa a vontade criadora, a vivificação, a transformação; na segunda, material, a decomposição, a violência e a morte. No sentido geral, Plutão simboliza as mutações profundas, tanto na natureza como no homem. Alguns astrólogos atribuem a Plutão a co-regência do signo de Escorpião.

fonte: http://www.topgyn.com.br/conso17/glossario/conso17a76.php

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

ASTROS - PARTE 01




1) SOL: De todos os corpos celestes ou fenômenos da natureza, o Sol é, com toda probabilidade, o mais rico de conteúdo simbólico. Desde os primórdios das civilizações, o homem associou o Sol ao próprio princípio da vida e de todas as coisas. Símbolo material-espiritual por excelência da Divindade, sua luz pode ser considerada como a manifestação visível de Deus. Tudo quanto existe na natureza depende da presença e do apóio da luz solar, fazendo desse astro o emblema maior dos princípios de geração, conservação e sustentação da vida em todas as suas formas. Do ponto de vista esotérico, o Sol é emblema do espírito, do Eu Superior. É representado pela figura do arcanjo Miguel, que derrota Satanás, a cabeça da serpente (símbolo das trevas), com sua espada flamejante (força solar). Neste sentido, o Sol representa as forças positivas, agressivas e dominadoras do cosmos. No plano da astrologia psicológica, o Sol simboliza, em seus aspectos positivos, qualidades morais tais como: firmeza, auto-estima, esperança, consciência desperta, nobreza de sentimentos, poder da vontade, lealdade e autoridade. Em seus aspectos negativos, simboliza arrogância, exibicionismo, orgulho, ambição, autoritarismo. Na astrologia, o Sol constitui o Princípio Vital, centro de todas as coisas físicas. O Sol é representado por um círculo (símbolo do espaço e do tempo infinitos) com um ponto no meio (símbolo do espírito). Está identificado com o princípio masculino, positivo, regendo o signo de Leão. O metal que o representa é o ouro.

2) LUA: O aspecto simbológico da Lua, como o do Sol, é conhecido desde tempos imemoriais. A "deusa da noite" foi, desde sempre, cultuada como "mãe universal", o princípio feminino que fertiliza todas as coisas. A Lua representa a alma, como o Sol representa o espírito. No plano esotérico está identificada com a deusa egípcia Ísis, a grande iniciadora da alma nos mistérios do espírito. A Lua representa os poderes modeladores da Luz Astral: é considerada representação da matéria. Suas forças são de caráter magnético, e portanto, opostas às do Sol, que tem caráter elétrico. Na psicologia, a Lua simboliza o inconsciente e, portanto, os sentidos físicos, as paixões e emoções animais e instintivas, bem como a imaginação, a sensibilidade e todos os demais aspectos femininos da vida. Em seus aspectos negativos, representa a preguiça, inconstância, frivolidade. A astrologia considera que a influência da Lua é puramente negativa. Na ausência de configurações importantes com o Sol e os demais planetas, ela não acarreta nem venturas nem desgraças. Mas, quando toma parte de uma configuração junto a outros corpos celestes, seu influxo pode ser extremamente poderoso, já que recebe a influência desses corpos e a intensifica, transferindo-a ao homem. Por isso, certos astrólogos costumam-se referir-se à Lua como o "grande médium astrológico do céu." A Lua é representada por um crescente em forma de copa, simbolizando o lado receptivo da natureza humana. A Lua é de polaridade feminina, aquática, negativa, e rege o signo de Câncer. Seu metal é a prata.

3) MERCÚRIO: O planeta Mercúrio personifica o "mensageiro dos deuses". Os gregos, para representar suas qualidades de mobilidade, versatilidade e rapidez, costumavam representá-lo com pequenas asas nos pés e no capacete. Regendo o intelecto humano, Mercúrio representa a força ativa do Eu, a consciência da humanidade e as faculdades de ver, perceber e raciocinar. Às pessoas que o tem em seu bom aspecto confere aptidão intelectual para as ciências analíticas e dedutivas, literatura, diplomacia, comércio e jornalismo. Em seus aspectos negativos, produz desequilíbrio mental, desonestidade, hipocrisia, nervosismo. Mercúrio, como representante do intelecto, é de natureza andrógina. Em sua manifestação masculina, rege o signo de Gêmeos; em sua manifestação feminina, rege o signo de Virgem. Seu metal é o mercúrio.

4) VÊNUS: Este planeta inspirou aos gregos e romanos a figura de sua deusa do amor e da beleza: Afrodite. Esotericamente, o simbolismo de Vênus tem dois aspectos: um relacionado ao amor espiritual e o outro conectado à simples atração sexual. No primeiro aspecto, Vênus é emblema do amor como forma de coesão, de harmonia, da beleza e refinamento. Confere capacidade para as belas-artes. Mal configurado astrologicamente, apresenta como aspectos negativos moralidade débil, impulsividade, tendências passionais, atração pelo luxo e pelos prazeres sensuais. É planeta de natureza feminina, regente dos signos de Touro e Libra. É representado por um círculo com uma cruz na parte inferior, significando o espírito em seu esforço de libertar-se da matéria. Seu metal é o cobre.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Quem são os Deuses Gregos?


 
 
 
 
Mitologia grega e religião

Na GréciaAntiga, as pessoas seguiam uma religião politeísta, ou seja, acreditavam em vários deuses. Estes, apesar de serem imortais, possuíam características de comportamentos e atitudes semelhantes aos seres humanos. Maldade, bondade, egoísmo, fraqueza, força, vingança e outras características estavam presentes nos deuses, segundo os gregos antigos. De acordo com este povo, as divindades habitavam o topo do Monte Olimpo, de onde decidiam a vida dos mortais. Zeus era o de maior importãncia, considerado a divindade seprema do panteão grego. Acreditavam também que, muitas vezes, os deuses desciam do monte sagrado para relacionarem-se com as pessoas. Neste sentido, os heróis eram os filhos das divindades com os seres humanos comuns. Cada cidade da Grécia Antiga possuía um deus protetor.

Cada entidade divina representava forças da natureza ou sentimentos humanos. Poseidon, por exemplo, era o representante dos mares e Afrodite a deusa da beleza corporal e do amor. A mitologia grega era passada de forma oral de pai para filho e, muitas vezes, servia para explicar fenômenos da natureza ou passar conselhos de vida. Ao invadir e dominar a Grécia, os romanosabsorveram o panteão grego, modificando apenas os nomes dos deuses.

Conheça abaixo uma relação das principais divindades da Grécia Antiga e suas características.

Nome do deus - O que representava

Zeus - rei de todos os deuses

Atena- sabedoria, guerra, justiça e artes.

Afrodite - amor

Ares- guerra

Hades- mundo dos mortos e do subterrâneo

Hera- protetora das mulheres, do casamento e do nascimento

Poseidon- mares e oceanos

Eros - amor, paixão

Héstia - lar

Apolo- luz do Sol, poesia, música, artes, beleza masculina

Ártemis- caça, castidade, animais selvagens e luz

Deméter- colheita, agricultura

Dionísio- festas, vinho e prazer

Hermes - mensageiro dos deuses, protetor dos comerciantes, dos viajantes e dos diplomatas.

Hefesto - metais, metalurgia, fogo e trabalho.

Crono - tempo

Gaia - planeta Terra

fonte: http://www.suapesquisa.com/musicacultura/deuses_gregos.htm

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Biografia - JOÃO DE DEUS


 

O que é um médium?

Segundo Allan Kardec em “O livro dos médiuns” (1861):

“Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium. Essa faculdade é inerente ao homem. Por isso mesmo, não constitui privilégio e são raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos médiuns. Usualmente, porém, essa qualificação se aplica somente aos que possuem uma faculdade mediúnica bem caracterizada, que se traduz por efeitos patentes de certa intensidade, o que depende de uma organização mais ou menos sensitiva.

Deve-se notar, ainda, que, essa faculdade não se revela em todos da mesma maneira. Os médiuns têm, geralmente, aptidão especial para esta ou aquela ordem de fenômenos, o que os divide em tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. As principais são: médiuns de efeitos físicos, médiuns sensitivos ou impressionáveis, auditivos, falantes, videntes, sonâmbulos, curadores, pneumatógrafos, escreventes ou psicógrafos.”

História do médium

João de Deus é um homem nascido em família simples, que tem problemas como qualquer homem comum. Tem defeitos, limitações e é capaz de errar e sofrer como qualquer outro ser humano. Segundo o médium, se fosse perfeito, não estaria nessa missão na Terra.

João Teixeira de Faria nasceu no vilarejo de Cachoeira da Fumaça, no estado de Goiás, em 24 de junho de 1942, sendo o mais novo de seis filhos.

Morando em Itapaçi, também no estado de Goiás, estudou até o equivalente ao segundo ano do Ensino Fundamental e abandonou os estudos devido à necessidade de trabalhar para ajudar no sustento da família. O médium nunca concluiu seus estudos, não sabendo ler nem escrever até hoje.

A primeira manifestação mediúnica de que se recorda ocorreu quando tinha nove anos de idade, enquanto visitava familiares na cidade de Nova Ponte – GO com sua mãe. Em um dia ensolarado, João teve uma premonição de que uma grande tempestade se aproximava, e começou a apontar casas (incluindo a casa de seu irmão) e a dizer que aquelas casas cairiam ou seriam destelhadas. Puxou sua mãe pelo braço para que partissem antes do temporal. Apesar de não estar convencida, a mãe de João abrigou-se com ele na casa de alguns amigos. Exatamente como ele havia previsto, a tempestade destruiu cerca de quarenta casas da pequena cidade.
O trabalho era escasso em Itapaçi e João precisou partir em busca de emprego. Após passar por algumas cidades, o médium encontrava-se em Campo Grande – MT ainda desempregado, cansado e com fome. Procurou, então, abrigo embaixo de uma ponte, planejando banhar-se no rio antes de seguir sua busca. Ao se aproximar do rio, uma mulher o chamou, convidando-o a aproximar-se. Conversaram a tarde inteira. Após algum tempo, o médium descobriu que a mulher era o espírito de Santa Rita de Cássia.

Na manhã seguinte, João voltou ao rio para conversar novamente com a mulher, porém, encontrou somente uma luz e ouviu sua voz chamando pelo seu nome. Ela disse a ele que fosse ao Centro Espírita Cristo Redentor.

Ao chegar ao Centro Espírita, o diretor se aproximou e perguntou se seu nome era “João Teixeira de Faria” e disse que eles o estavam esperando. Naquele momento o médium desmaiou, recobrando a consciência horas depois. Havia um grande grupo de pessoas o cercando e uma pessoa o explicou que ele havia incorporado a Entidade Rei Salomão e curado cerca de cinqüenta pessoas.

Mesmo confuso, João de Deus aceitou o convite para passar a noite na casa do diretor do Centro Espírita e retornar no dia seguinte para os trabalhos, explicando que não era um médium praticante e não tinha conhecimentos médicos nem sobre o mundo espiritual.
Nos meses seguintes, o médium João dedicou sua vida à cura. Sua primeira experiência mediúnica ocorreu aos dezesseis anos de idade.

Durante os anos subseqüentes, João foi perseguido e acusado por prática ilegal da medicina. No período da ditadura militar, foi para Brasília trabalhar como alfaiate para o exército. Lá, exerceu trabalhos de cura e ganhou a proteção dos militares.

João de Deus trabalhou, dentre outras coisas, como alfaiate, minerador e também numa olaria. Hoje mora em Anápolis – GO, cidade que se localiza a 40 km de Abadiânia, onde em 1976 fundou a Casa Dom Inácio de Loyola.

Mensagem de Estímulo

“Sou apenas um homem;

Há mais de trinta e cinco anos instalei a Casa de Dom Inácio neste solo sagrado de Abadiânia, esta terra bendita, onde Deus me colocou para cumprir minha missão.

Eu não curo ninguém. Quem cura é Deus, que, em sua infinita bondade, permite as Entidades (bons espíritos) que me assistem proporcionar cura e consolo aos meus irmãos, ao passo que sou apenas um instrumento em suas divinas mãos.

Fui garimpeiro e sei que a pedra preciosa, para mostrar sua beleza, precisa sofrer o desgaste da lapidação, sendo que, antes de polida, quem não conhece não lhe dá valor algum.

Cada filho é um diamante raro da criação, mas que necessita ser polido implicando em dores e sofrimento, para realizar sua superior destinação.

O mundo passa por grandes transformações, gerando consequentemente grandes sofrimentos, porém a nossa força e sustentação residem na confiança naquele Ser Supremo, que é nosso Deus.

E, para finalizar, levo como mensagem as palavras de Cristo no Evangelho de João (cap. 15, vs. 12): ‘O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei’.”

Médium João Teixeira de Faria
Fonte:http://www.joaodedeus.com.br/
 
 

 

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

A MAGIA DO MAR - FIM


 
 
 
 
A Garrafa dos Bruxos do Mar

Leve um vidro com uma tampa hermética (como um pote de maionese) e uma sacola ao mar, bem cedo pela manhã, de preferência logo após a maré alta.

Caminhe pela praia, juntando pequenos pedaços de madeira, conchas, pedras; os objetos naturais atirados à areia pelas ondas. Coloque-os na sacola.

Quando tiver juntando várias coisas, sente-se na praia e espalhe-as à sua frente. Ponha uma por vez dentro do pote, dizendo:

AMULETO DO MAR QUE ENCONTREI,
ATRAIRÁ ENERGIA DE PROTEÇÃO.


Após pôr todos os objetos no pote, acrescente um punhado de areia fresca e encha com água do mar.

Feche vigorosamente e leve para casa. Em sua propriedade, perto da porta frontal, se possível, cave um buraco no chão, grande o bastante para enterrar o pote.

Enquanto o coloca no buraco, diga:

ONDAS NA AREIA, AS MARÉS EM MOVIMENTO;
VOCÊ É AGORA UM OCEANO SILENCIOSO.
EXPULSE QUALQUER MAL PARA O MAR;
É O MEU DESEJO, ASSIM SEJA.


Cubra o pote e devolva à terra uma aparência normal. Se não puder enterrá-lo, esconda-o num vaso, cubra com terra ou areia, e deixe-o do lado de fora, próximo de casa.

O pote funcionará como um sistema de proteção para sua casa e todos que nela moram.


Para Enviar Poder

Sente-se na praia e medite. Visualize sua necessidade. Sinta o poder. Quando a energia estiver em seu auge, aguarde até que uma onda arrebente na areia, libertando-a. A onda ampliará tremendamente o poder.


Um Encantamento de Amor do Mar

Numa sexta-feira, na maré alta, de preferência à noite, leve uma maçã e alguns cravos ao oceano. Na praia, espete a maçã com os cravos, desenhando três vezes a runa de seu amor.

Segure a maçã com sua mão de poder e imbua nela seu desejo de amor, dizendo palavras como:

MAÇÃ DO AMOR, CRAVOS DO FOGO,
ESTA É MINHA NECESSIDADE, MEU DESEJO!


Atire a maçã em direção ao mar, o mais longe que puder. Assim será.


O Encantamento do Balde

Encha um balde com água do mar e devolva-a em seguida. Repita mais duas vezes, e a cada vez que devolver a água ao mar, diga:

EU DEVOLVO A VOCÊ O QUE É SEU,
DEVOLVA-ME O QUE É MEU.


Este encantamento era utilizado para que marinheiros e pescadores voltassem para casa em segurança.


Para Comunicar-se com Alguém no Mar

Encha um vaso grande de cristal com água do mar. Coloque-o na areia e, sentado diante dele, erga suas mãos, visualizando claramente o rosto da pessoa. Tire suas mãos e escreva com sua imaginação sua mensagem na superfície da água.

A seguir, jogue a água ao mar. Este encantamento levará sua mensagem à pessoa no mar.


Um Encantamento do Mar

Este é um encantamento de múltiplos propósitos.

Vá ao mar quando a maré começar a subir (após a maré baixa, mas antes da cheia). Desenhe na areia, pouco antes de onde a água alcança, um círculo de cerca de 30 cm de diâmetro, usando seus dedos.

A seguir, desenhe uma runa ou imagem de sua necessidade dentro do círculo que desenhou. Enquanto desenha, visualize uma chama azulada surgindo na areia à medida que seus dedos a riscam. Quando a figura estiver completa, veja o poder como um líquido fosforescente que ocupa os sulcos que formam o símbolo num padrão perfeito de sua necessidade.

Visualize firmemente.

Afaste-se então e aguarde que as ondas subam e desmanchem seu desenho, liberando a energia para que siga e realize seu desejo.


Um Encantamento com Conchas

Junte uma quantidade suficiente de conchas, na praia. Elas não precisam ser perfeitas, nem polidas, mas devem estar razoavelmente inteiras e completas. Faça isso, é claro, na maré apropriada.

Numa parte isolada da praia, fique em pé, segurando as conchas em sua mão (ou numa sacola) e observe as ondas por um instante. Todas as sétimas ou nonas ondas devem ser maiores que as demais.

Logo depois da onda maior, disponha as conchas na areia recém-molhada formando uma imagem rústica de sua necessidade. Ou, se desejar, simplesmente forme com as conchas as letras que escrevem seu desejo.

Aja rapidamente, volte alguns passos e aguarde o retorno da onda mais forte. Se, quando retornar, a onda levar suas conchas de volta para o mar, seu desejo será concedido.

Fonte: 'Magia Natural: Rituais e Encantamentos da Tradição', de Scott Cunningham

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

A MAGIA DO MAR - PARTE 04



Bóias de Pesca

Nas praias do Oceano Pacífico, na parte noroeste dos Estados Unidos, lançavam-se bóias de pesca ao mar. O mesmo ocorria em outras partes do mundo.

Muitos anos atrás, tais bóias, utilizadas para sustentar redes de pesca, eram feitas de vidro, geralmente de cor azul ou verde. O vidro é grosso e as bóias "saltam" quando derrubadas ou quebradas, e na base da bóia há uma pequena massa elevada de vidro, onde a bóia era fechada durante sua manufatura.

Infelizmente, a maioria das bóias de pesca atualmente utilizadas são de plástico. Se encontrar uma bóia de vidro na praia, considere-se extremamente sortudo. Se não, compre uma numa loja de antiguidades. Certifique-se de que a bóia tenha realmente sido usada no mar, pois isso a carrega.

Não importa se encontrou ou não uma bóia velha, leve-a ao mar na maré alta. Mergulhe-a três vezes na água e diga:

GLOBO DE VIDRO AZUL (OU VERDE), AQUI EU LHE CARREGO
PARA QUE ME SEJA UMA DÁDIVA PSÍQUICA.
QUANDO TOCADA PELO SAL, LIBERE SEU PODER!
ESSE É MEU DESEJO, ASSIM SEJA.


Leve a bóia para casa, enrole em pano azul e verde e guarde num local seguro.

A bóia de pesca pode agora ser utilizada como uma bola de cristal para visões.

Retire-a, unte a base com um pouco de água salgada, apóie-a no pano e pratique.


Pedras Furadas

Se encontrar na praia uma pedra com um furo, apanhe-a pois é um valioso instrumento de magia. A pedra furada é pendurada em casa para proteção, usada numa corrente no pescoço com a mesma finalidade, e para muitos outros fins em magia.

Apanhe uma pedra furada, encontre um graveto no qual se encaixe firmemente e atire-os ao mar. Um amor virá até você.

Para ver os espíritos do mar, leve a pedra furada ao mar, à noite, na maré alta. Feche um olho, de frente para o mar, e ponha a pedra furada no outro. Olhe através do buraco e você poderá ver os espíritos.

Para cura, coloque a pedra furada em sua água de banho. Acrescente sal e entre na banheira. A pedra só poderá ser utilizada para este propósito.

A pedra furada é um dos mais valiosos instrumentos de magia, e é grátis, um presente do mar. Por ser um símbolo da eternidade e da força feminina da natureza, não é apenas uma peça de boa sorte, nem só um eficiente instrumentos de magia; é sem dúvida sagrada.


Algas

Se por um lado as algas são uma importante fonte de alimento em muitas partes do mundo, no Ocidente ela é raramente utilizada, a não ser no processamento e conservação de diferentes alimentos e produtos como creme dental e sorvetes. Entretanto, há muitas utilizações mágicas para a alga marinha.

Seque um pequeno pedaço de qualquer espécie de alga ao ar livre. Quando estiver completamente seco, pendure-o em casa para proteger a estrutura do fogo.

Algas secas também são usadas para acender fogueiras nas praias, e penduradas ao ar livre como indicadores do clima. Quando a alga estiver enrugada, o clima será ensolarado. Quando incha, e parecer molhada ao toque, existe a possibilidade de chuva.

Um pequeno pedaço de alga marinha numa garrafa de uísque, bem fechada e colocada numa janela ensolarada, pode atrair dinheiro à sua casa. A garrafa deve ser agitada diariamente.

A seguir, uma coleção de encantamentos marinhos como praticados hoje. Podem ser utilizados por qualquer pessoa, desde que esteja perto do mar, ou mesmo de um grande lago ou rio.


Uma Purificação

Quando sentir-se amaldiçoado, enfeitiçado, irado ou atormentado por medos e ansiedades, caminhe ao lado do mar na alvorada. Deixe as ondas baterem em você, e diga algo semelhante ao que segue:

EU PRATICO ESTE GESTO DE PURIFICAÇÃO
NO LOCAL DO INÍCIO DE TODA VIDA;
AS ONDAS COBREM O CORPO E O ESPÍRITO;
A POEIRA CAI NO MAR QUE LIMPA;
ESTOU RENOVADO E FRESCO,
FRESCO COMO O MAR.


Saia então da água e deixe que os ventos sequem seu corpo. Está feito.


Para Entrar em Transe

Sente-se na praia e feche seus olhos, acima da linha da maré alta. Relaxe e ouça o arrebentar e fluir do oceano, e você entrará em transe.

Ou, então, observe os reflexos da lua cheia no oceano; sigas o caminho dela até o horizonte e de volta a você, até entrar em transe.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A Magia do Mar - Parte 03


IVANIH BIANCO
19-3462-9248/99391-4328
--------------------------------------------------------------------------------
 
Os Instrumentos

Os instrumentos da magia do mar são encontrados no oceano ou atirados pelas ondas na praia. São naturais e feitos pelo homem; antigos como o próprio mar e novos e frescos como a aurora. Apesar de variarem de lugar para lugar e de era para era, eis aqui alguns do mais conhecidos.


Conchas do Mar

Presentes do mar, são usadas para representar as deidades do oceano. Longas e espiraladas, representam os deuses, enquanto as redondas simbolizam as deusas. Cauris têm sido usadas por séculos para a última finalidade.

Muitas bruxas do mar e magos colocam conchas em seus altares por essa razão ao praticar magia do mar em casa.

Quando encantamentos são praticados no litoral, deve-se marcar um círculo protetor com conchas distribuídas em um anel e recolhidas com esse propósito.

Podem ser utilizadas como pingentes para atrair fertilidade, ou para atrair dinheiro, pois já foram utilizadas como moeda.

Apanhe uma grande concha univalve (inteiriça) e ponha-a próxima a seu ouvido. Deixe que ela fale com você. Pode ouvir mensagens do futuro ou do passado; ou o som do mar pode acalmar sua mente para receber mensagens psíquicas.

Uma concha especial que encontre na praia pode ser transformada num amuleto de proteção ou de sorte.

Uma concha posicionada à entrada de uma casa assegura que a sorte entrará nela.

Conchas e outras univalves bem grandes são assopradas no litoral para afastar a negatividade e para convidar os Deuses e espíritos para rituais e encantamentos.


Madeira Flutuante

Pedaços de madeira arrastados pelo mar, cheios de sal marinho e secos pelo sol na praia são o combustível natural de fogueiras místicas, que normalmente são parte da magia.

Essa madeira pode ser utilizada em encantamentos. Apanhe um pedaço apropriado e entalhe nele sua necessidade com uma faca. Atire-o de volta ao mar, implorando que satisfaça seu desejo.

Um pedaço menor pode ser enfeitado com símbolos protetores e usado como amuleto ou talismã para atrair ou repelir forças, dependendo de seus desejos.

Pode-se também fazer uma espécie de bastão mágico com essa madeira; com esse bastão, pode-se desenhar círculos na areia onde praticar magia. Pode-se também utilizá-lo para riscar runas na areia. Não há regras quanto a seu tamanho, forma ou tipo de madeira; seja o que for que o mar ofereça, é bom.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A MAGIA DO MAR - PARTE 02









IVANIH BIANCO
(19) 3462-9248 / 993914328



As Marés

As marés são um aspecto essencial da magia do mar, assim como a lua para toda magia. Elas assinalam o pulsar do oceano, os fluxos de poder que podem ser controlados e atraídos pela magia.

Há três fases de marés, assim como a lua, a controladora das marés (em inglês, só existem três fases da lua: Crescente, Cheia e Nova):

- Maré enchente, quando a maré sobe (de baixa para alta);
- Maré alta, o máximo que os oceanos se elevam na praia num período de doze horas;
- Maré vazante, quando a maré baixa (de alta para baixa).

Na verdade, assim como com a lua, há uma quarta maré, maré baixa, mas esta geralmente não é utilizada em magia. É, no entanto, um bom período para a meditação e introspecção, e também para buscar algo em vidas passadas.

Todos os encantamentos produtivos e positivos devem ser praticados durante a maré enchente. Incluam-se aqui fertilidade, dinheiro, amor, cura e assim por diante.

A maré alta é tradicionalmente o melhor período para qualquer tipo de encantamento; positivo ou negativo, bom ou de banimento.

Quando o mar está em vazante, é o período ideal para encantamentos destrutivos ou de banimento.

Diariamente, há duas marés altas e duas baixas. A maioria das livrarias e lojas de pesca oferece tabelas das marés, assim como jornais em cidades costeiras. Confirme as marés no dia em que desejar realizar um encantamento, se morar perto do mar, e realize-o o mais perto possível da "fase" adequada, para obter melhores resultados. Isso pode ser levado em consideração em todos os encantamentos que for realizar, mas não é necessário.

Para um ritual importante a maré mais alta do mês é o momento mais auspicioso. Você pode determiná-la ao estudar uma tabela de marés para um mês e encontrar o maior número de metros que o mar se eleva na praia. Essa será a maré mais alta, e corresponderá sempre à lua cheia. Se não puder aguardar, não se preocupe não prejudicará o encantamento.

Além dos poderes adicionais no mar durante a maré alta, há também uma razão prática para monitorar as marés. Ritos praticados numa faixa deserta de litoral são experiências realmente evocativas e mágicas, mas se a maré estiver subindo e a área for rochosa, com penhascos íngremes, pode acabar encurralado, sem saída.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

A MAGIA DO MAR E SEUS ENCANTOS - PARTE 01



 IVANIH BIANCO
(19) 3462-9248 / 99391-4328
 

 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Há milênios o mar é cultuado, temido, consagrado, ora-se a ele, oferecem-se sacrifícios a ele,
reverenciado. Tem sido a morada de deusas e deuses, sereias e tritões, ondinas e serpentes – monstros horrendos e encantadoras sereias que enganavam os marinheiros, atraindo-os para a morte em rochas traiçoeiras.

Sob suas ondas escondem-se antigas e fabulosas terras e civilizações – Atlântida, Lemúria, Lyonesse, para citar algumas – e dele toda a vida surgiu. Portanto, o mar é tanto o início quanto o fim, o alfa e o ômega – a fonte de toda a vida e daquilo que a consome.

Em priscas eras, assim como hoje, os centros populacionais localizam-se nas proximidades de rios ou na costa, garantindo acesso fácil e alimentos – peixes, crustáceos, algas - bem como uma plataforma pela qual artefatos de bambu e piche, madeira e cordas, e posteriormente de formas mais sofisticadas, podiam flutuar e viajar para terras distantes.

Esses povos dependiam do mar para obter alimento; assim, suas próprias vidas eram nele personificadas. Deusas e deuses surgiram de suas profundezas e amorosamente abriram seus braços para abraçar os povos simples, ou sopravam ondas que destruíam suas frágeis embarcações e devastavam aldeias.

Assim como os rios, nascentes e riachos eram reverenciados, também o mar o era. Em conjunto com os ritos religiosos, praticava-se magia, assim como hoje.

Muitas das antigas deidades do mar são hoje objeto de livros – Possêidon, Ísis, Llyr, Mari, Netuno, Shony, Tiamat, Dylan, Manannan – todos esses e muitos outros receberam libações, incensos, sacrifícios.

O que os livros parecem desconhecer é que eles ainda vivem; seus murmúrios são ouvidos nos ruídos do oceano e seus poderes aumentam e minguam com a lua. Eles aguardam o momento de se erguer e serem novamente reconhecidos.

Apesar de não precisar cultuar o mar ou suas deidades para praticar a magia do mar, você deve respeitá-lo como um amplo depósito de poder. É nossa mãe ancestral, mais antiga que os continentes sobre os quais vivemos, mais velha que a árvore ou a pedra. É o próprio tempo.

A magia do mar é melhor se praticada próxima ao oceano, mas muitos dos encantamentos a seguir podem ser levemente alterados e praticados em qualquer lugar, desde que você possa obter alguns instrumentos.

Um pote com água onde tenha misturado um pouco de sal funciona como uma conexão com o oceano, assim como uma banheira cheia de água salgada. Em antiquários e casas especializadas, procure conchas, areia, alga marinha e outros itens.

A magia do mar é misteriosa e flexível como os próprios oceanos. Eis alguns encantamentos. ( A continuar...)

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

PENTAGRAMA - FINAL


IVANIH BIANCO
(19) 3462-9248 / 993914328



---------------------------------------------------------------------------------------



A Golden Dawn, em seu período áureo (de 1888 até o começo da primeira guerra mundial), muito contribuiu para a disseminação das raízes da Cabala Hermética moderna ao redor do mundo e, através de escritos e trabalhos de vários de seus membros, principalmente Aleister Crowley, surgiram algumas das idéias mais importantes da filosofia e da mágica da moderna Cabala. Em torno de 1940, Gerald Gardner adotou o pentagrama vertical, como um símbolo usado em rituais pagãos. Era também o pentagrama desenhado nos altares dos rituais, simbolizando os três aspectos da deusa mais os dois aspectos do deus, nascendo, então, a nova religião de Wicca. Por volta de 1960, o pentagrama retomou força como poderoso talismã, juntamente com o crescente interesse popular em bruxaria e Wicca, e a publicação de muitos livros (incluindo vários romances) sobre o assunto, ocasionando uma decorrente reação da Igreja, preocupada com esta nova força emergente. Um dos aspectos extremos dessa reação foi causado pelo estabelecimento do culto satânico – “A Igreja de Satanás” – por Anton La Vay. Como emblema de sua igreja, La Vay adotou o pentagrama invertido (inspirado na figura de Baphomet de Eliphas Levi). Isso agravou com grande intensidade a reação da Igreja Cristã, que transformou o símbolo sagrado do pentagrama, invertido ou não, em símbolo do diabo. A configuração da estrela de cinco pontas, em posições distintas, trouxe vários conceitos simbólicos para o pentagrama, que foram sendo associados, na mente dos neopagãos, a conceitos de magia branca ou magia negra. Esse fato ocasionou a formação de um forte código de ética de Wicca – que trazia como preceito básico: “Não desejes ou faças ao próximo, o que não quiseres que volte para vós, com três vezes mais força daquela que desejaste.” Apesar dos escritos criados para diferenciar o uso do pentagrama pela religião Wicca, das utilizações feitas pelo satanismo, principalmente nos Estados Unidos, onde os cristãos fundamentalistas se tornaram particularmente agressivos a qualquer movimento que envolvesse bruxaria e o símbolo do pentagrama, alguns wiccanianos se colocaram contrários ao uso deste símbolo, como forma de se protegerem contra a discriminação estabelecida por grupos religiosos radicais. Apesar de todas as complexidades ocasionadas através dos diversos usos do pentagrama, ele se tornou firmemente um símbolo indicador de proteção, ocultismo e perfeição. Suas mais variadas formas e associações em muito evoluíram ao longo da história e se mantêm com toda a sua onipresença, significado e simbolismo, até os dias de hoje. O Pentagrama é o símbolo de toda criação mágica. Suas origens estão perdidas no tempo. O pentagrama foi usado por muitos grupos de pessoas aos longo da História como símbolo de poder mágico. O Pentagrama é conhecido com a estrela do microcosmo, ou do pequeno universo, a figura do homem que domina o espírito sobre a matéria, a inteligência sobre os instintos. Na Europa Medieval era conhecido como “Pé de Druida” e como “Pé de Feiticeiro”, em outras épocas ficou conhecido como “Cruz dos Goblins”. O Pentagrama representa o próprio corpo, os 4 membros e a cabeça. É a representação primordial dos 5 sentidos tanto interiores como exteriores. Além disso, representa os 5 estágios da vida do homem:

Nascimento: o início de tudo

Infância: momento onde o indivíduo cria suas próprias bases

Maturidade: fase da comunhão com as outras pessoas

Velhice: fase de reflexão, momento de maior sabedoria

Morte: tempo do término para um novo início

O Pentagrama é o símbolo da Bruxaria. Os Bruxos usam um Pentagrama para representar a sua fé e para se reconhecerem. O Pentagrama é tão importante para um Wiccaniano, assim como uma cruz é importante para um cristão, ou como um Selo de Salomão é importante para um judeu. O Pentagrama representa o homem dentro do círculo, o mais alto símbolo da comunhão total com os Deuses. É o mais alto símbolo da Arte, pois mostra o homem reverenciando a Deusa , já que é a estilização de uma estrela (homem) assentada no círculo da Lua Cheia (Deusa). Cada uma das pontas possui um significado particular:

PONTA 1ESPÍRITO: representa os criadores , a Deusa e o Deus, pois eles guiam a nossa vida e nos ajudam na realização dos ritos e trabalhos mágicos. O Deus e a Deusa são detentores dos 4 elementos e estes elementos são as outras 4 pontas.

PONTA 2 – TERRA: representa as forças telúricas e os poderes dos elementais da terra, os Gnomos. É a ponta que simboliza os mistérios, o lado invisível da vida, a força da fertilização e do crescimento.

PONTA 3 – AR: representa as forças aéreas e os poderes dos Silfos. Corresponde à inteligência , ao poder do saber, a força da comunicação e da criatividade.

PONTA 4 – FOGO: representa a energia, a vontade e o poder das Salamandras. Corresponde às mudanças, às transformações. É a força da ativação e da agilidade.

PONTA 5 – ÁGUA: representa as forças aquáticas e aos poderes das Ondinas. Está ligada às emoções, ao entardecer, ao inconsciente. Corresponde às forças da mobilidade e adaptabilidade. Portanto, o Bruxo que detém conhecimento sobre os elementos usa o Pentagrama como símbolo de domínio e poder sobre os mesmos.

 fonte: http://ghaiaesoterico.wordpress.com